S&P 500 pode desabar mais de 20% até o fim do ano, segundo analista

Investing.com
Atualizado em 20/06/2024 02:07
Mitrade Team
coverImg
Fonte: DepositPhotos

Investing.com - Enquanto o mercado de ações dos EUA alcança novos recordes, é raro encontrar analistas com uma visão negativa sobre as ações. No entanto, um dos mais renomados, Marko Kolanovic, do JPMorgan (NYSE:JPM), reafirmou sua perspectiva negativa em uma nota recente.

Ele manteve sua previsão para o S&P 500 no final do ano em 4.200 pontos, o que representa uma queda de 23,2% em relação ao fechamento de segunda-feira.

"A nossa cautela se deve à crença de que o valor das ações não aumentará e que qualquer crescimento deverá vir dos lucros das empresas, que julgamos insuficientes para justificar o risco associado às ações, mesmo no cenário mais otimista", explica a nota.

Kolanovic prevê um crescimento de lucros abaixo do esperado para o S&P 500, estimando que o lucro por ação do índice será de apenas US$ 225 em 2024, abaixo dos US$ 221 em 2023. Isso contrasta com a previsão média de Wall Street de US$ 240 e US$ 228 nos últimos 12 meses.

Ele ressalta que "para evitar uma correção superior a 20% nas ações, seria necessário acreditar que a tecnologia se tornará rapidamente um motor de crescimento muito mais significativo para a economia como um todo", deixando claro que ele não compartilha dessa crença e recomenda paciência aos investidores antes de investir seu dinheiro.

"Embora vejamos a tecnologia como um motor chave para o crescimento econômico nos próximos anos, não esperamos que seu impacto nas finanças das empresas seja tão imediato quanto alguns preveem. Por isso, mantemos uma postura cautelosa, antecipando um enfraquecimento do crescimento econômico e uma correção no mercado acionário que oferecerá aos investidores um ponto de entrada mais vantajoso", escreveu ele.

A visão de Kolanovic contrasta com outros analistas: Evercore aumentou sua previsão para o S&P 500 para 6.000 pontos, enquanto Goldman Sachs (NYSE:GS) elevou sua meta para 5.600 pontos.

Barclays (LON:BARC) vê risco maior de correção em tecnologia

Já os estrategistas do Barclays alertaram nesta terça-feira, 18, para o crescente risco de correção nas ações de tecnologia, apesar da solidez dos fundamentos do setor.

O banco relata que, embora a tecnologia e as grandes empresas de tecnologia (Big Tech) se destaquem no mercado acionário dos EUA, elas foram cruciais para o desempenho do S&P 500 no primeiro trimestre de 2024, marcando o terceiro trimestre consecutivo de alavancagem operacional positiva. Quase 90% do setor superou as projeções de lucro por ação (LPA).

No entanto, o banco identifica vários riscos significativos que podem levar a uma correção no mercado de tecnologia. Uma das principais preocupações é o risco de concentração elevada. De acordo com o Barclays, a disparidade entre as seis principais ações e o restante do S&P 500 alcançou o 94º percentil no final de maio, um aumento significativo em relação ao 70º percentil registrado em janeiro.

Os estrategistas do banco destacam que, baseados em precedentes de liderança concentrada e esticada, como nos anos de 2000 e 2020, esperam que os líderes de mercado possam devolver parte de seus ganhos excessivos no médio prazo.

Outro fator de risco é o posicionamento. O Barclays observa que a exposição a ações, controlada por volatilidade e por Commodity Trading Advisors (CTAs), permanece alta, com um fluxo claramente inclinado para o lado negativo.

Ademais, os fundos mútuos iniciaram o ano com uma sobrepeso em tecnologia e Big Tech, aumentando ainda mais essa alocação nos dois primeiros trimestres de 2024. Isso resultou em uma concentração recorde da Big Tech nos portfólios de fundos mútuos.

As próximas eleições nos EUA também representam um risco para o setor. O Barclays ressalta que as empresas de tecnologia estão particularmente expostas à retórica sobre tarifas e tributação internacional. Em um cenário de vitória de Trump, há risco aumentado de protecionismo, dada a dependência de cadeias globais de suprimento. Por outro lado, uma vitória de Biden poderia levar a mudanças desfavoráveis na tributação internacional, como o aumento da alíquota da renda global intangível de baixa tributação (GILTI) para 21%.

Além disso, o potencial de aumento dos rendimentos do Tesouro sugere um risco de duração. A alta correlação negativa entre ações e taxas de juros, que ajudou a impulsionar as ações para novos máximos históricos com a recente queda das taxas, pode tornar as altamente valorizadas ações de tecnologia particularmente susceptíveis a uma reversão nos rendimentos das taxas de juros.

Finalmente, há riscos vindos da Europa. Os recentes desenvolvimentos políticos, especialmente as eleições parlamentares antecipadas na França, foram mal recebidos pelos mercados locais, embora ainda não tenham afetado significativamente as ações dos EUA. No entanto, o fraco desempenho recente das bolsas europeias indica um risco emergente que pode impactar também o mercado americano.

Isenção de responsabilidade: este artigo representa apenas a opinião do autor e não pode ser usado como consultoria de investimento. O conteúdo do artigo é apenas para referência. Os leitores não devem tomar este artigo como base para investimento. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, procure orientação profissional independente para garantir que você entenda os riscos.

 

Os Contratos por Diferença (CFDs) são produtos alavancados que podem resultar na perda de todo o seu capital. Esses produtos não são adequados para todos os clientes; por favor, invista com rigor. Consulte este arquivo para obter mais informações.


Você achou este artigo útil?
Artigos Relacionados
placeholder
As ações preferidas para esta semana, segundo carteiras de analistasInvesting.com – As ações da Petrobras (BVMF:PETR4), BRF (BVMF:BRFS3) e BB Seguridade (BVMF:BBSE3) foram as mais indicadas por bancos, corretoras e casas de análise para esta semana, segundo levantamen
Autor  Investing.com
Investing.com – As ações da Petrobras (BVMF:PETR4), BRF (BVMF:BRFS3) e BB Seguridade (BVMF:BBSE3) foram as mais indicadas por bancos, corretoras e casas de análise para esta semana, segundo levantamen
placeholder
Telecom: Lucros em alta no segundo trimestre devem sustentar visão otimista - BofAInvesting.com – Analistas do Bank of America (NYSE:BAC) (BofA) esperam resultados sólidos para empresas de telecomunicações em sua cobertura, sugerindo que a alta nos lucros deve sustentar a visão oti
Autor  Investing.com
Investing.com – Analistas do Bank of America (NYSE:BAC) (BofA) esperam resultados sólidos para empresas de telecomunicações em sua cobertura, sugerindo que a alta nos lucros deve sustentar a visão oti
placeholder
JPMorgan: Quem ganha e quem perde com maior adoção de veículos elétricos no BrasilInvesting.com – Com o avanço do uso de veículos elétricos pelo mundo, a perspectiva é de que este cenário chegue no país de forma um tanto distinta. A adoção de veículos elétricos no Brasil deve se co
Autor  Investing.com
Investing.com – Com o avanço do uso de veículos elétricos pelo mundo, a perspectiva é de que este cenário chegue no país de forma um tanto distinta. A adoção de veículos elétricos no Brasil deve se co
placeholder
Potencial da Tesla em energia é maior que em automóveis? Morgan discuteInvesting.com - Os analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) questionaram o valor relativo dos segmentos de negócios da Tesla (NASDAQ:TSLA) em relação ao setor automotivo tradicional.O banco de investim
Autor  Investing.com
Investing.com - Os analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) questionaram o valor relativo dos segmentos de negócios da Tesla (NASDAQ:TSLA) em relação ao setor automotivo tradicional.O banco de investim
placeholder
Crescimento da Nvidia é sustentável ou bolha especulativa?Investing.com – A Nvidia (NASDAQ:NVDA) viu um aumento sem precedentes em suas ações, graças à euforia com a revolução que a inteligência artificial está provocando em diversos setores.Os papéis da emp
Autor  Investing.com
Investing.com – A Nvidia (NASDAQ:NVDA) viu um aumento sem precedentes em suas ações, graças à euforia com a revolução que a inteligência artificial está provocando em diversos setores.Os papéis da emp