Crescimento mais lento é risco para ações dos EUA, alerta Morgan Stanley

Investing.com
Atualizado em 18/06/2024 02:17
Mitrade Team
coverImg
Fonte: DepositPhotos

Investing.com – Os analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) alertam que a desaceleração do crescimento econômico pode ser um risco para as ações dos EUA, especialmente para os setores mais sensíveis às flutuações econômicas e para as ações de valor.

O relatório do banco enfatiza a importância de priorizar ações de grandes empresas com sólida qualidade e ações defensivas diante desse cenário.

“Com os índices de surpresa econômica e os rendimentos dos títulos em queda, muitas ações agora estão mais expostas às condições de um crescimento mais moderado”, explica o banco. Segundo o Morgan Stanley, essa mudança faz com que o crescimento dos lucros se torne um fator crucial para o desempenho das ações.

O banco aponta que as ações cíclicas e de valor, particularmente as de pequena capitalização, estão em uma posição de vulnerabilidade. Embora normalmente a redução das taxas de juros possa favorecer esses segmentos, o Morgan Stanley argumenta que, neste contexto, as taxas mais baixas sinalizam uma desaceleração do crescimento e da capacidade de formação de preços, o que anula qualquer vantagem potencial.

Em contrapartida, o Morgan Stanley observa tendências favoráveis nas ações de qualidade e de grandes empresas. A extensão das revisões positivas dos lucros é vista como um bom sinal tanto para o S&P 500 quanto para o Nasdaq 100, enquanto “o crescimento dos lucros das grandes corporações também está em ascensão”. Esses elementos reforçam a preferência do banco por este segmento do mercado.

Considerando um possível ciclo de redução das taxas pelo Federal Reserve, o Morgan Stanley reafirma sua posição favorável às ações de crescimento de grandes empresas.

“Nossas análises indicam que são as grandes corporações que tendem a apresentar melhor desempenho de forma consistente quando o Fed inicia cortes nas taxas”, finaliza o relatório. Eles sustentam que isso está alinhado com um cenário típico de fim de ciclo econômico, onde os investidores procuram qualidade e oportunidades de crescimento a longo prazo.

Goldman atualiza projeções para o S&P 500

Já o Goldman Sachs (NYSE:GS) atualizou sua projeção para o índice S&P 500, elevando o preço-alvo de fim de ano devido ao robusto crescimento dos lucros, especialmente das gigantes do setor tecnológico, e ao aumento do valor justo percebido.

O banco agora prevê que o S&P 500 fechará o ano em 5.600 pontos, superando a meta anterior de 5.200 pontos e indicando um potencial de valorização de aproximadamente 3% em relação ao fechamento da última sexta-feira, que foi de 5.431,60 pontos.

Desde o início do ano, o S&P 500 acumulou um retorno de 15%, impulsionado principalmente por cinco empresas – Microsoft (NASDAQ:MSFT), Nvidia (NASDAQ:NVDA), Google da Alphabet (NASDAQ:GOOGL), Amazon (NASDAQ:AMZN) e Meta Platforms (NASDAQ:META) – que juntas representam 60% do retorno total do índice até agora.

Essas companhias tiveram um aumento coletivo de 45% em suas ações e agora correspondem a 25% da capitalização total do S&P 500, conforme análise dos especialistas do Goldman Sachs em relatório datado de 14 de junho.

Os motivos para essa ascensão incluem ajustes positivos nas estimativas de lucros para 2024 dessas empresas de tecnologia e uma expansão na avaliação resultante do crescente entusiasmo dos investidores por inteligência artificial.

No primeiro trimestre, as cinco empresas mencionadas registraram um crescimento impressionante de 84% no lucro por ação (LPA) em relação ao ano anterior, contra apenas 5% das demais empresas do S&P 500. Isso levou os analistas a aumentarem suas previsões de EPS para essas cinco gigantes tecnológicas em 38% para o ano de 2024. Em contraste, as expectativas de lucro para as outras 495 empresas do índice foram reduzidas em 5%.

As projeções atuais sugerem uma diferença significativa de 31 pontos percentuais no crescimento do LPA entre essas cinco empresas e a empresa mediana do S&P 500 para o ano de 2024 (37% contra 6%), segundo o Goldman Sachs. No entanto, espera-se que essa disparidade diminua para 8 pontos percentuais em 2025 e para apenas 4 pontos percentuais em 2026.

O banco antecipa que a estimativa atual do consenso de mercado para o LPA de baixo para cima de 2025 sofrerá uma redução modesta de apenas 2% até o final deste ano, metade da média histórica das revisões.

“Prevemos que as revisões nas estimativas consensuais do EPS do S&P 500 se manterão mais contidas que a média até o final do ano, dada a já ocorrida elevação dos lucros das megacapacidades tecnológicas este ano”, afirma o banco.

“Contudo, mantemos nossas previsões de lucros para 2024, pois consideramos que as estimativas atuais de margem consensual para o próximo ano ainda estão excessivamente otimistas.”

Para o futuro, o modelo de avaliação do banco sugere que a relação preço/lucro (P/L) do S&P 500 se situará em torno de 20,4 vezes até o final do ano, ligeiramente abaixo do múltiplo atual de 21,1 vezes. A forte expectativa de crescimento dos lucros para 2025 e um rendimento real estável indicam um múltiplo P/L justo no final de 2024 de aproximadamente 15 vezes para o S&P 500 com peso igual.

As eleições continuam sendo um fator relevante para as projeções do nível do S&P 500 e estão dentro dos horizontes previstos pelo banco tanto para os próximos três meses quanto para o fim do ano.

Historicamente, nos anos eleitorais, observa-se um aumento na volatilidade do índice antes das eleições e uma queda média no S&P 500 de cerca de 4% entre o final de outubro e início de novembro. No entanto, após as eleições, a volatilidade tende a diminuir, e o índice se recupera para um nível ainda mais alto após a eleição.

Isenção de responsabilidade: este artigo representa apenas a opinião do autor e não pode ser usado como consultoria de investimento. O conteúdo do artigo é apenas para referência. Os leitores não devem tomar este artigo como base para investimento. Antes de tomar qualquer decisão de investimento, procure orientação profissional independente para garantir que você entenda os riscos.

 

Os Contratos por Diferença (CFDs) são produtos alavancados que podem resultar na perda de todo o seu capital. Esses produtos não são adequados para todos os clientes; por favor, invista com rigor. Consulte este arquivo para obter mais informações.


Você achou este artigo útil?
Artigos Relacionados
placeholder
Potencial da Tesla em energia é maior que em automóveis? Morgan discuteInvesting.com - Os analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) questionaram o valor relativo dos segmentos de negócios da Tesla (NASDAQ:TSLA) em relação ao setor automotivo tradicional.O banco de investim
Autor  Investing.com
Investing.com - Os analistas do Morgan Stanley (NYSE:MS) questionaram o valor relativo dos segmentos de negócios da Tesla (NASDAQ:TSLA) em relação ao setor automotivo tradicional.O banco de investim
placeholder
Crescimento da Nvidia é sustentável ou bolha especulativa?Investing.com – A Nvidia (NASDAQ:NVDA) viu um aumento sem precedentes em suas ações, graças à euforia com a revolução que a inteligência artificial está provocando em diversos setores.Os papéis da emp
Autor  Investing.com
Investing.com – A Nvidia (NASDAQ:NVDA) viu um aumento sem precedentes em suas ações, graças à euforia com a revolução que a inteligência artificial está provocando em diversos setores.Os papéis da emp
placeholder
Analistas começam a rebaixar Nvidia: início do fim da estrela da IA?Investing.com - As ações da NVIDIA Corporation (NASDAQ:NVDA) fecharam em alta de 1,88% nesta segunda-feira, após sofrer um recuo de 1,92% na semana passada em meio a um avanço do S&P 500.Essa desvalor
Autor  Investing.com
Investing.com - As ações da NVIDIA Corporation (NASDAQ:NVDA) fecharam em alta de 1,88% nesta segunda-feira, após sofrer um recuo de 1,92% na semana passada em meio a um avanço do S&P 500.Essa desvalor
placeholder
Domínio do micro sobre o macro impulsiona bolsa americana, diz XP. Mas e agora?Investing.com – Os investidores ajustaram as expectativas para os cortes nos juros nos Estados Unidos, mas segue o momento otimista dos mercados acionários americanos. A dominância de fatores microeco
Autor  Investing.com
Investing.com – Os investidores ajustaram as expectativas para os cortes nos juros nos Estados Unidos, mas segue o momento otimista dos mercados acionários americanos. A dominância de fatores microeco
placeholder
Esta ação é uma das queridinhas do BofA para os próximos doze mesesInvesting.com – O Bank of America (NYSE:BAC) (BofA) reforçou a visão positiva para as ações da Eletrobras e indicou a companhia como uma das principais escolhas para os próximos doze meses. O momento
Autor  Investing.com
Investing.com – O Bank of America (NYSE:BAC) (BofA) reforçou a visão positiva para as ações da Eletrobras e indicou a companhia como uma das principais escolhas para os próximos doze meses. O momento